Motim
conspiração entre um grupo de indivíduos para se opor, mudar ou derrubar uma autoridade legal
Este artigo carece de reciclagem de acordo com o livro de estilo. (Maio de 2010)
Esta página cita fontes, mas estas não cobrem todo o conteúdo. (Maio de 2010)
Motim é uma insurreição de grupos não homogêneos, organizada ou não, contra qualquer pessoa de um grupo ou autoridade instituída.[1] Caracteriza-se por atos explícitos de desobediência a autoridades ou contra a ordem pública, sendo frequentemente acompanhado de tumulto, vandalismo contra a propriedade pública e privada (lojas, automóveis, sedes de instituições, etc.) e atos de violência contra pessoas.
Pode ter origem na xenofobia, intolerância racial, religiosa, política ou decorrente de uma pressão econômica excessiva, mas pode também ocorrer em manifestações esportivas, especialmente em razão do ódio entre torcidas.
No Direito Penal Militar do Brasil, o crime de motim está previsto no art. 149 do Código Penal Militar (Decreto-Lei n.° 1.001/69), aplicável a militares que cometem atos coletivos coordenados de insuburdinação ou desobediência.
Motim durante greve em Minneapolis (1934).
Brancos à caça de negros, durante o motim de 1919, em Chicago, durante o Verão Vermelho
Carro incendiado durante os motins na França, em 2005
Wrocław: memorial do 10° aniversário (1999) do massacre de Tian'anmen em Pequim (4 de junho de 1989).
Ver também
Referências
«Motim». Encyclopædia Britannica Online (em inglês). Consultado em 11 de maio de 2020
Este artigo sobre sociologia ou um sociólogo é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Última edição a 4 de junho de 2020, às 20h53min
Conteúdo disponibilizado nos termos da CC BY-SA 3.0, salvo indicação em contrário.
Política de privacidade
Condições de utilização
Versão desktop
InícioAleatórioAqui pertoEntrarDefiniçõesDonativosSobre a WikipédiaAvisos gerais
LínguaVigiarEditar