Crise Iemenita
Conjunto de conflitos internos no Iêmen
Este artigo ou se(c)ção trata de um conflito armado recente ou ainda em curso.
A Crise Iemenita é um conjunto de conflitos internos de caráter sectário, político e religioso que ocorrem no Iêmen desde princípios do século XXI.[1] Inicialmente, o país era afligido por três insurreições: a dos salafistas-jiadistas da Alcaida e seus grupos afiliados desde 2001; o conflito em Sa'dah desencadeado em 2004 pelos Houthis; e as revoltas dos independentistas do Movimento do Iêmen do Sul.[2][3]
Situação no Iêmen em outubro de 2011
Situação em março de 2012
Situação no Iêmen em 26 de Março de 2015:
  Controlado pelos Houthis e partidários de Saleh
  Controlado por partidários de Hadi
  Controlado pela Alcaida e pelo Ansar al-Sharia
  Controlado pelo Al-Hirak
Porém, a crise iemenita se intensificaria com a Revolução Iemenita de 2011-2012,[1] ocorrida como parte dos grandes protestos da Primavera Árabe, que expulsou o regime ditatorial de Ali Abdullah Saleh do poder.[4][5][6] Depois que Saleh deixou o cargo no início de 2012 como parte de um acordo mediado entre o governo iemenita e grupos de oposição, o governo liderado pelo ex-vice-presidente de Saleh, Abd Rabbuh Mansur Hadi, se esforçou para unir o cenário político turbulento do país e afastar as ameaças dos militantes tanto da Alcaida na Península Arábica como dos Houthis que estavam travando uma insurgência prolongada no norte durante anos.[7][8] Em 2014, os combatentes Houthis invadiram a capital Saná e forçaram Hadi a negociar um "governo de unidade" com outras facções políticas, enquanto a capital estava sendo alvo intensivo de operações terroristas da Alcaida. Após negociações com outras facções, como a fracassada com o Al-Islah sunita, os rebeldes continuaram a colocar pressão sobre o debilitado governo até que, após seu palácio presidencial e residência privada ficarem sob o ataque do grupo militante, Hadi renunciou junto com seus ministros em janeiro 2015, o que foi rejeitado pelo parlamento iemenita. No mês seguinte, os Houthis, declararam-se no controle do governo, dissolveram o Parlamento e instalaram um Comitê Revolucionário interino liderado por Mohammed Ali al-Houthi, primo do líder Houthi Abdul-Malik al-Houthi.[9][10] No entanto, Hadi fugiu para Áden, onde declarou que continua sendo presidente legítimo do Iêmen, proclamou capital provisória do país, e apelou aos oficiais do governo leais e membros das forças armadas para se unirem a ele.[11][12]
Insurreições no Iêmen
Insurgência dos salafistas-jiadistas
Ver artigo principal: Rebelião da Alcaida no Iémen ‎
A Alcaida está presente no Iêmen desde 1990. Em 2000, lançou seu primeiro ataque contra os ocidentais em um atentado contra o destróier estadunidense USS Cole, matando 17 marinheiros. Este ataque, bem como os ataques de 11 de setembro, finalmente impulsionaram o governo iemenita a promover uma ofensiva contra os jiadistas.[13][14][15][16]
Por sua parte, a Alcaida da Arábia Saudita foi expulsa do reino em 2003 e encontrou refúgio no Iêmen. Em janeiro de 2009, os ramos sauditas e iemenitas da Alcaida se fundiram para formar Alcaida na Península Arábica (AQAP).[14]
Concomitantemente, os Estados Unidos passaram a realizar ataques aéreos com drones regularmente contra a Alcaida. Em 2014, de acordo com a New America Foundation, 124 jiadistas e quatro civis foram mortos em 19 incursões.[17]
A AQAP também enfrenta os Houthis.[18]
Insurgência dos Houthi
Ver artigo principal: Rebelião Houthi no Iêmen
Os houthis são rebeldes xiitas zaiditas que desde 2004 se opõem pela força das armas ao Estado iemenita, mas também a Alcaida da Península Arábica. Ativos no noroeste do país denunciam a marginalização da comunidade zaidita, a desigualdade e o subdesenvolvimento da região. São apoiados pelo Irã, e também criticam a aliança do Iêmen com a Arábia Saudita e os Estados Unidos. Em 2011, eles tomam parte na revolução iemenita. Em fevereiro de 2014, foi anunciado que o Iêmen se tornaria um Estado federal. Os Houthis então lançaram uma grande ofensiva em setembro, para expandir a sua área de influência e obter uma parte do poder em seu favor.[19][20]
Insurgência dos separatistas sulistas
Ver artigo principal: Insurgência no sul do Iêmen
O Movimento do Iêmen do Sul (também chamado de al Hirak ou Movimento separatista do Sul) foi fundado em 2007, em desafio a unificação do Iêmen, como resultado da Guerra Civil do Iêmen de 1994, que viu a vitória dos nortistas. Esse movimento ganhou força em muitas áreas no sul do país, levando a um aumento das tensões e confrontos, por vezes violentos com as forças do governo.[21][22]
Primavera Árabe (2011-2012)
A onda de protestos conhecida como Primavera Árabe não demorou muito para chegar no Iêmen após a Revolução Tunisiana. O Iêmen era um país pobre com um governo amplamente reconhecido como corrupto, com uma grande quantidade de armas em mãos privadas. Até 2011, o país já enfrentava desafios de militantes ligados à Alcaida e os separatistas no sul e rebeldes xiitas zaiditas no norte. O Iêmen só havia sido unificado a partir de 1990, e as profundas divisões persistiram entre o norte e o sul.
Protestos contra Saleh
Ver artigo principal: Revolução Iemenita
Manifestantes em Saná em 4 de abril de 2011, durante os estágios iniciais da Revolução Iemenita
Os protestos populares eclodiram no início de 2011, liderados tanto pelos grupos de oposição seculares como islâmicos.[23] Os grupos rebeldes de longa data, como os Houthis e o Movimento do Sul também participaram dos protestos.[24][25] Saleh reagiu com uma repressão violenta, e o país quase se desintegrou em uma guerra civil total uma vez que diversos elementos do exército romperam com o governo e se juntaram aos manifestantes a partir de março.[26][27]
Saleh quase foi morto quando uma bomba explodiu em uma mesquita onde ele e outros altos oficiais do governo estavam orando em 3 de junho, aparentemente em uma tentativa de assassinato.[28][29] Apesar de sua condição inicialmente parecer grave, Saleh recuperou e regressou ao cargo em 23 de setembro, depois de vários meses de tratamento médico na Arábia Saudita.[30] Ele deixou o vice-presidente Hadi no cargo durante a sua ausência. Como presidente interino, Hadi se reuniu com a oposição e supostamente manifestou sua abertura às reformas políticas. No entanto, rejeitou a ideia de remover Saleh do poder sem o consentimento do presidente.[31]
Acordo mediado
O Conselho de Cooperação do Golfo não aplicaria qualquer pressão sobre Saleh para negociar um fim ao levante para que deixasse o cargo.[32] Semanas após o retorno da Arábia Saudita, Saleh finalmente concordou em 23 de novembro a renunciar em troca de imunidade. Como parte do acordo, a oposição concordou em permitir que Hadi ficasse sem oposição para a presidência em 2012.[33]
Cerco de Damaje
Enquanto isso, os rebeldes Houthis no norte do Iêmen cercaram uma cidade salafista no mohafazah de Sadá, Damaje. Os combates foram piores em novembro e dezembro. As forças armadas iemenitas foram incapazes de restaurar a ordem, devido à crise no resto do país.[34]
Eleição e governo de Hadi (2012-2014)
Ver artigo principal: Eleição presidencial no Iêmen em 2012
Abd Rabbuh Mansur Hadi, o segundo Presidente do Iêmen
Embora Hadi concorresse e fosse eleito presidente sem oposição, a sua eleição em 24 de fevereiro de 2012 foi amplamente considerada como a conclusão da revolução que começou um ano antes.[35] Hadi, um sulista, desfrutava de apoio sobretudo no antigo Iêmen do Sul, acalmando os murmúrios do separatismo,[36] embora o Movimento do Sul boicotasse a eleição presidencial, assim como os houthis.[37] Hadi não deu aos rebeldes houthis quaisquer assentos em seu gabinete.[5]
Confrontos em Damaje continuam
O conflito em Damaje se renovou em abril, quando eclodiram combates entre membros da tribo houthi e estudantes salafistas. Ambos os lados acusaram o outro de romper um acordo de trégua.[38]
Hadi faz avanços
As negociações de reconciliação nacional foram realizadas com a participação de muitos elementos separatistas, bem como os houthis.[5][36]
Nove anos após a morte de Hussein Badreddin al-Houthi, o governo iemenita entregou os restos mortais do patriarca Houthi à sua família e ele foi enterrado no norte do Iêmen, em junho de 2013, com um representante da administração Hadi comparecendo.[39]
Hadi visitou os Estados Unidos, um aliado fundamental no exterior, em julho de 2013. Os Estados Unidos também levantaram a proibição de transferência de presos de seu Campo de Detenção da Baía de Guantánamo, em Cuba, para o Iêmen.[40] Enquanto isso, a Arábia Saudita deportou cerca de 300.000 a 400.000 trabalhadores migrantes iemenitas para o seu país de origem em 2013, causando um influxo de iemenitas pobres sem terra no norte do Iêmen.[41]
Novos confrontos
O conflito entre houthis e salafistas na província de Sadá foi renovado em outubro e novembro de 2013. Autoridades governamentais em Sadá acusaram os combatentes houthis de atacar uma mesquita salafista em Damaje em uma tentativa de expulsar os sunitas, enquanto os houthis acusaram os salafistas de usar a instituição religiosa como um campo para combatentes sunitas estrangeiros. O governo tentou intervir para parar os combates.[42]
O enfrentamento sectário em Jaufe durou durante todo o ano. Na província de Dhamar também ocorreram confrontos entre os houthis e salafistas perto do final do ano.[43]
Conflito xiita-sunita se propaga (2014)
Confrontos em Damaje espalharam para a província de 'Amran até janeiro de 2014.[44] Os Houthis alcançaram uma vitória em Saada, quando o governo iemenita intermediou um acordo segundo o qual combatentes salafistas e suas famílias foram evacuados para a província vizinha de Al Hudaydah.[45] De acordo com relatos, os houthis depois bloquearam tropas governamentais de implantar integralmente em todo o território, apesar de um acordo assinado.[46]
Combates na província de Amran intensificaram-se durante o ano, com confrontos entre houthis e simpatizantes do partido islamita Al-Islah que acabou conduzindo a uma tomada de poder dos houthis de toda a província. O conflito se propagaria à província de Saná até julho.[43]
Houthis tomam Saná
Os houthis começaram a protestar contra o governo de Hadi para exigir concessões, a fim de solucionar a insurgência de longa data que vinham travando contra o Estado iemenita em meados de 2014.[47] A revolta se intensificou dramaticamente uma vez que combatentes houthi avançaram em Saná, a capital e, efetivamente, assumiram o controle da cidade dos militares iemenitas dentro de alguns dias em setembro. As forças do general Ali Mohsen al-Ahmer se renderam aos houthis após um breve combate.[48] Ali Abdullah Saleh, o ex-presidente, foi amplamente suspeito de auxiliar os houthis nos bastidores e ajudar a abrir o caminho para a sua tomada de poder.[49] O primeiro-ministro Mohammed Basindawa renunciou em 21 de setembro, como parte de um acordo destinado a acabar com o impasse.[50]
Formação do governo de unidade
Os houthis e o governo concordaram em 21 de setembro em formar um "governo de unidade" no prazo de um mês.[51] No entanto, os houthis rejeitaram a escolha inicial de primeiro-ministro por Hadi, Ahmad Awad bin Mubarak,[52] e o ministro do Petróleo Khaled Bahah seria nomeado em vez disso, com a aprovação do grupo armado.[53] Os houthis e o Congresso Geral do Povo liderado por Saleh anunciaram abruptamente em 8 de novembro que não iriam participar do governo de unidade nacional, alegando que seria inaceitável para eles.[54] O boicote induziu a sanções contra Saleh e altos dirigentes dos houthis do Conselho de Segurança das Nações Unidas e do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos.[55]
Houthis consolidam o poder (2015)
Ver artigo principal: Golpe de Estado no Iêmen em 2014-2015
Os houthis aumentariam sua pressão sobre o governo enfraquecido de Hadi, apreendendo o palácio presidencial e instalações militares estratégicas em Saná e bombardeando a residência privada do presidente em 20 de janeiro. No dia seguinte, eles tomaram o controle da casa de Hadi, estacionando guardas armados do lado de fora para mantê-lo sob prisão domiciliar.[56] Hadi, o primeiro-ministro Khaled Bahah e o gabinete renunciaram no dia seguinte, afirmando que não poderiam continuar a trabalhar sob as condições que os houthis haviam imposto. O grupo rebelde saudou a renúncia de Hadi, mas continuou a mantê-lo sob prisão domiciliar. A notícia levou quatro mohafazah do sul a anunciar que iriam desconsiderar todas as ordens de Saná.[57] A Câmara dos Deputados iria se encontrar a 25 de janeiro para discutir a possibilidade de aceitar ou rejeitar a renúncia de Hadi sob a constituição iemenita, mas a sessão foi cancelada após os houthis tomarem o controle do edifício do parlamento. A Organização das Nações Unidas interveio para tentar uma solução negociada para aquilo que muitos no Iêmen consideraram como um golpe de Estado dos houthis.[58]
As negociações da ONU foram infrutíferas e um ultimato dos houthi às facções políticas do Iêmen para que encontrassem uma solução não foi cumprido. No dia 6 de fevereiro, os houthis declararam-se no controle total do governo iemenita, dissolveram o Parlamento e instalaram um Comitê Revolucionário liderado por Mohammed Ali al-Houthi para liderar o Estado a título provisório. O anúncio provocou protestos em Saná e outras cidades, especialmente no sul.[59][60]
Acontecimentos pós-golpe
As reações a tomada de poder dos houthis foram amplamente negativas, com a Liga Árabe, o Conselho de Cooperação do Golfo, as Nações Unidas e os Estados Unidos recusando-se a reconhecer a "declaração constitucional" e várias províncias rejeitaram a autoridade dos houthis. Com a maioria dos partidos políticos criticando o golpe, Jamal Benomar, o enviado da ONU para o Iêmen, anunciou a retomada das negociações nacionais sobre o futuro do Iêmen em 8 de fevereiro. Benomar afirmou que os houthis haviam concordado em participar das negociações.[61] O Secretário-Geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, pediu que Hadi fosse reintegrado como presidente.[62]
Os houthis e outras facções chegaram a um acordo provisório, anunciado em 20 de fevereiro, para manter a Câmara dos Representantes em vigor, apesar da "declaração constitucional" dissolvendo-a duas semanas antes. O acordo também estipulou que um "conselho de transição popular" seria estabelecido para representar os sulistas, mulheres, jovens, e outras minorias políticas.[63] No dia seguinte, Hadi viajou para Áden, onde afirmou que todas as ações dirigidas pelos houthis desde 21 de setembro de 2014 eram inválidas e condenou o golpe de Estado.[64][65]
Irrompe a guerra civil
Ver artigo principal: Guerra Civil Iemenita (2015–presente)
Combates eclodiram sobre o Aeroporto Internacional de Áden, em 19 de março, com forças especiais leais ao ex-presidente Ali Abdullah Saleh tentando capturar o aeroporto antes de serem derrotadas por tropas e milicianos sob as ordens da administração Hadi.[66] No dia seguinte, em um incidente aparentemente não relacionado, quatro homens-bomba detonaram-se em mesquitas em Sana repletas de congregantes houthis, matando pelo menos 142. O grupo islâmico sunita Estado Islâmico do Iraque e do Levante assumiu a responsabilidade.​[​67​]​[​68​]
Hadi declarou Áden como sendo capital provisória do Iêmen, em 21 de março, enquanto Sana'a permanece sob controle dos houthis.[69] No dia seguinte, as forças dos houthis avançaram mais perto de Áden, capturando partes importantes de terceira cidade do Iêmen, Taiz.[70] Eles consolidariam o seu controle em grande parte do sul e tomariam muito do próprio Áden no início de abril.[71]
Intervenção militar estrangeira
Ver artigo principal: Intervenção militar no Iêmen em 2015
Em 25 de março, a Arábia Saudita e outros países anunciaram que tinham iniciado operações militares no Iêmen contra os rebeldes houthis. Barém, Kuwait, Catar e os Emirados Árabes Unidos emitiram uma declaração juntamente com a Arábia Saudita dizendo que seu objetivo era "repelir agressão houthi" no Iêmen. Egito, Jordânia, Marrocos e Sudão também são membros da coalizão de 10 países.[72]
No dia 17 de abril, o Irã enviou à ONU uma proposta de paz que previa[73]: cessar-fogo e fim de todos os ataques militares estrangeiros; assistência humanitária; retomada de um diálogo nacional amplo que permita o estabelecimento de um governo nacional inclusivo de unidade.
Ver também
Referências
a b Iémen, o país de todas as crises e grande importância estratégica - Publico.pt
«U.S. Fears Chaos as Government of Yemen Falls». The New York Times. 22 de jan de 2015
«Breakdown in Yemen - Yemen's descent toward civil war can't be ignored.». usnews.com
Silvana Toska (26 de setembro de 2014). «Shifting balances of power in Yemen's crisis». Washington Post
a b c Hendawi, Hamza (12 de Outubro de 2014). «Yemen's crisis reflects arc of Arab Spring revolts». Yahoo! News
al-Naggar, Mona (6 de fevereiro de 2015). «In Yemen, Hard Times Remain a Constant as Rebels Take Charge». The New York Times
«Meet The Group That Now Rules Yemen». BuzzFeed. 6 de fevereiro de 2015
«Al-Qaeda thrives in Yemen amid weak security, stalled dialogue». Al Arabiya. 6 de fevereiro de 2015
al-Haj, Ahmed (6 de fevereiro de 2015). «Yemen's Shiite rebels announce takeover of country». The Columbian
«Houthi militia installs 'presidential council' to run Yemen - See more at: www.middleeasteye.net/news/houthi-militia-installs-presidential-council-run-yemen-1600545027#sthash.c3lglp00.dpu»​. Middle East Eye. 6 de fevereiro de 2015
«Yemen's Hadi denies Aden secession». Anadolu Agency. 21 de março de 2015. Consultado em 22 de março de 2015
Kerr, Simeon (26 de fevereiro de 2015). «UN and Gulf back Yemeni president Hadi amid fears of civil war». Financial Times. Consultado em 22 de março de 2015
(em francês) L'Obs : Le 11/09, dix ans après : le Yémen, base-arrière idéale pour Al-Qaida ?
a b (em francês) Francetvinfo : Attaque contre "Charlie Hebdo" : au Yémen, la franchise la plus dangereuse d'Al-Qaïda
(em francês) Slate : Al-Qaida s'enracine dans un Yémen déstructuré
(em francês) Libération : Aqpa, l’autre racine historique du jihad, por Jean-Pierre Perrin.
(em francês) France 24 : Le chaos au Yémen porte un coup à lutte des États-Unis contre Al-Qaïda
(em francês) RFI : Al-Qaïda contre les Houthistes: le risque d'une guerre civile au Yémen
(em francês) France 24 : Qui sont les Houthis, ces rebelles qui bouleversent la donne au Yémen ?
(em francês) RFI : Le Yémen va devenir un Etat fédéral
(em inglês) Policemen killed in south Yemen in clash with rebels, BBC News.
(em francês) France 24 : Bienvenue à Mansoura, un quartier d’Aden où l’armée tire à vue
«Thousands in Yemen Protest Against the Government». The New York Times. 27 de janeiro de 2011
«As Mubarak resigns, Yemenis call for a revolution of their own». Christian Science Monitor. 11 de fevereiro de 2011
«Yemen's Houthi movement and the revolution». Foreign Policy. 27 de fevereiro de 2012
«Top army commanders defect in Yemen». Al Jazeera. 21 de março de 2011
«Yemen's Crackdown on Protesters Escalates to Air Strikes, Risking War». The Atlantic. 18 de maio de 2011
«Yemen's Saleh injured by planted bomb - source». Reuters. 26 de junho de 2011
«Yemen: President Saleh 'was injured by palace bomb'». BBC News. 23 de junho de 2011
«Yemeni President Ali Abdullah Saleh makes unexpected return from Saudi Arabia». The Washington Post. 24 de setembro de 2011
Raghavan, Sudarsan (13 de junho de 2011). «Yemen's opposition meets with acting president». The Washington Post
Al Qadhi, Mohammed (8 de abril de 2011). «GCC 'expects end to Yemen crisis' as pressure builds on Saleh to depart». The National
«Yemen president Saleh to step down; Bahrain acknowledges that crackdown used torture, excessive force». The Washington Post. 23 de novembro de 2011
«A Militia, a Madrassa, and the Story Behind a Siege in Yemen». The New Republic. 30 de janeiro de 2012
«Yemen Gets New Leader as Struggle Ends Calmly». The New York Times. 24 de fevereiro de 2012
a b Mukhashaf, Mohammed (20 de dezembro de 2012). «Some Yemeni separatists to join national dialogue». Reuters
«HOUTHIS AND SOUTHERN MOVEMENT TO BOYCOTT FEBRUARY ELECTION». Yemen Times. 30 de janeiro de 2012
«HOUTHI-SALAFI CONFRONTATIONS RENEWED IN SA'ADA». Yemen Times. 22 de abril de 2012
«Yemen's Houthi rebel leader laid to rest». Al Jazeera. 6 de junho de 2013
Kuhnhenn, Jim (25 de julho de 2013). «Obama To Host Yemeni President Abdo Rabby Mansour Hadi At White House». The Huffington Post
«Down and out». The Economist. 10 de dezembro de 2013
«Yemen: Sectarian fighting kills dozens». CNN. 3 de novembro de 2013
a b «THE HOUTHIS: FROM A LOCAL GROUP TO A NATIONAL POWER». Yemen Times. 4 de setembro de 2014
«Clashes kill at least 23 in north Yemen». The Daily Star. 5 de janeiro de 2014
«Yemeni gov't evacuates Salafis from northern conflicts». 13 de janeiro de 2014
«Salafis forced to flee Dammaj, government forces unable to protect them, they say». ReliefWeb. 15 de janeiro de 2014
«HOUTHIS BLOCK ROADS IN SANA'A». 4 de setembro de 2014
Al-Batiti, Saeed (setembro de 2014). «Yemenis are shocked by Houthis' quick capture of Sana'a». Middle East Eye
El-Naggar, Mona (25 de janeiro de 2015). «Shifting Alliances Play Out Behind Closed Doors in Yemen». The New York Times
«Houthis sign deal with Sanaa to end Yemen crisis». Al Arabiya. 21 de setembro de 2014
Ghobari, Mohammed (21 de setembro de 2014). «Houthi rebels sign deal with Yemen parties to form new government». Reuters
«Yemen's Houthi rebels reject Ahmed Awad bin Mubarak as PM». BBC News. 7 de outubro de 2014
«Yemen appoints new PM to end crisis». Al Jazeera. 13 de outubro de 2014
«Yemen's GPC, Houthis oppose new gov't». KUNA. 11 de outubro de 2014
«US blacklists Yemen ex-president Saleh, Houthi commanders». Middle East Eye. 9 de novembro de 2014
«Yemen rebels seize presidential palace». Al Jazeera. 21 de janeiro de 2015
«Yemeni President Hadi resigns from office». Al Arabiya. 22 de janeiro de 2015
«Protests in Yemen Support President as Factions Negotiate His Future». Wall Street Journal. 25 de janeiro de 2015
al-Haj, Ahmed (6 de fevereiro de 2015). «Yemen's Shiite rebels say they're in charge now». CTV News. Consultado em 7 de fevereiro de 2015
«Thousands protest against Houthi coup in Yemen». Al Jazeera. 7 de fevereiro de 2015
al-Haj, Ahmed (8 de fevereiro de 2015). «UN Envoy Says Yemen National Talks Will Resume Amid Crisis». ABC News
«UN calls for Yemen President Hadi's reinstatement». Gulfnews.com. 8 de fevereiro de 2015
«Yemen Parties Agree to Transitional Council, U.N. Envoy Says». The Wall Street Journal. 20 de fevereiro de 2015. Consultado em 21 de fevereiro de 2015
«Yemen's Hadi says Houthis decisions unconstitutional». Al Jazeera. 21 de fevereiro de 2015. Consultado em 21 de fevereiro de 2015
«Yemen's ousted president Hadi calls for Houthis to quit capital». The Star Online. 22 de fevereiro de 2015. Consultado em 21 de fevereiro de 2015
«Battle for Aden Airport Stokes Fears of Wider Conflict in Yemen». The New York Times. 19 março de 2015. Consultado em 20 de março de 2015
«BREAKING: Death toll hits 137 from suicide bomb attacks in Yemen mosques». Albawaba News. 20 de março de 2015. Consultado em 20 de março de 2015
«Death toll in Yemen bombing rises to 142». Al Arabiya. 20 de março de 2015. Consultado em 20 de março de 2015
«Yemen's President Hadi declares new 'temporary capital'». Deutsche Welle. 21 de março de 2015. Consultado em 21 de março de 2015
«Rebels Seize Key Parts of Yemen's Third-Largest City, Taiz». The New York Times. 22 de março de 2015. Consultado em 22 de março de 2015
«The Crisis in Yemen Intensifies as Houthi Fighters Push Deeper Into Aden». TIME. 6 de Abril de 2015. Consultado em 6 de abril de 2015
«Saudi Arabia launches military operation in Yemen - envoy». BBC News. 25 de março de 2015. Consultado em 25 de março de 2015
Irã envia à ONU proposta de paz de quatro pontos sobre Iêmen, acesso em 18 de abril de 2015.
Ligações externas
Última edição a 26 de novembro de 2020, às 17h06min
Conteúdo disponibilizado nos termos da CC BY-SA 3.0, salvo indicação em contrário.
Política de privacidade
Condições de utilização
Versão desktop
InícioAleatórioAqui pertoEntrarDefiniçõesDonativosSobre a WikipédiaAvisos gerais
LínguaVigiarEditar